10 perguntas da Revista Mederi (RM) com Temas de seu Interesse

A Revista Mederi entrevistou o Dr. Lúcio Couto, Diretor Médico, para tirar algumas das dúvidas mais frequentes e importantes do setor de Home Care.

Ele abordará sobre os cuidados em domicílio, incluindo internação, quais são as prováveis indicações para este método e até questões sobre o plano de saúde.

Não deixe de compartilhar o post com pessoas que podem se interessar pelos cuidados em domicílio e, em caso de dúvidas, deixe seu comentário no post. Ficaremos felizes em ajudar!

RM – O que é Home Care?

Home Care é um termo em língua inglesa que significa “Cuidados em Domicílio”. Existem serviços de saúde diversos que podem ser prestados na sua casa: curativos, fisioterapia motora e respiratória, fonoaudiologia, cuidados de enfermagem, administração de medicações venosas e, a internação domiciliar propriamente dita, em que toda a estrutura de equipamentos, materiais, medicamentos e toda a equipe de saúde são disponibilizadas no domicílio do paciente.

RM – Quais os pacientes que podem ter indicação de Cuidados em Domicílio?

Existem determinados perfis de pacientes que podem ter indicação de cuidados em Domicílio
de diferentes complexidades.

  1. Paciente que faz uso por tempo prolongado de medicação venosa (como antibióticos para
    osteomielite);
  2. Paciente com necessidade de curativo complexo com uso de material especial;
  3. Paciente restrito ao leito totalmente dependente para atividades de vida diária, com
    sequelas de patologias como acidente vascular cerebral, Doença de Alzheimer, Mal de
    Parkinson, Esclerose Lateral Amiotrófica;
  4. Paciente dependente de aparelhos para respirar (Ventilação Mecânica) que estejam
    clinicamente estáveis no hospital;
  5. Pacientes que necessitam de sessões de fisioterapia motora e/ou respiratória;
  6. Pacientes que precisam de suporte nutricional com apoio de nutricionista e/ou nutrólogo;
  7. Pacientes que precisam de preparo de um Cuidador familiar para adaptação a uma situação
    nova como uma cânula de traqueostomia, uma gastrostomia (orifício com sonda da parede
    abdominal para o estômago por onde podem ser administradas medicações e alimentos), uso
    de sonda vesical.

RM – Como um paciente sabe se tem indicação de Cuidados em Domicílio?

Conversando com o médico assistente que é aquele que conduz o tratamento do paciente no Hospital ou mesmo em domicílio. O próprio médico do paciente é quem deve julgar a indicação do Home Care e qual a melhor modalidade indicada: curativo? Administração de medicação? Internação em Domicilio? Etc. Oriento consultar o “Score ABEMID” no endereço eletrônico: www.mederi.com.br/scoreabemid. Esse score orienta de forma objetiva os critérios que serão avaliados para definir a complexidade de cuidados que serão prestados ao paciente em domicilio.

RM – Caso o médico confirme a indicação de Home Care como ocorre a autorização do plano de saúde para iniciar os cuidados em domicílio?

Mediante relatório gerado pelo médico assistente e encaminhado para o plano de saúde pelo serviço social do hospital em que o paciente está internado. Caso o paciente esteja em casa, esse relatório médico pode ser encaminhado pela própria família. Ao receber o relatório, o plano de saúde entra em contato com a empresa de Home Care que avalia o paciente e gera um orçamento. Após autorização desse orçamento pelo plano de saúde o serviço tem inicio no domicilio em até 48h, dependendo da complexidade de cuidados autorizado.

RM- E a internação em domicílio tem cobertura para tudo que o paciente use em casa?

Não necessariamente. A internação domiciliar autorizada pelo plano de saúde oferece os medicamentos, materiais e profissionais relacionados ao tratamento atual do paciente. Por exemplo, se o paciente já era hipertenso e diabético e fazia uso de alguma medicações antes da internação atual a família continua comprando essas medicações.

O uso de fraldas descatáveis, na maioria das vezes, também é de responsabilidade da família. A roupa de cama e de banho deve ser a do próprio paciente. Aparelho de ventilação mecânica, cama hospitalar, aspirador de secreções, nebulizador, dentre outros, são cobertos pelo plano de saúde.

As visitas de médicos, enfermeira, fonoaudióloga, fisioterapeutas, plantão de técnico de enfermagem, também são cobertas pelo plano de saúde.

Cada plano de saúde trabalha de um jeito. Antes da internação, a cobertura de materiais, medicamentos e serviços deve ser explicada de forma clara para a família, para que todos saibam de seus direitos e deveres. A MEDERI trabalha com a Cartilha da Família, um impresso com informações importantes sobre as dúvidas mais comuns do processo de internação.

RM – Caso o paciente precise de atendimento de urgência, como será o seu atendimento?

A empresa de Home Care deve oferecer um serviço de urgência e emergência com médico e ambulância UTI móvel 24h para essas situações de urgência e emergência dos pacientes internados na mesma cidade em que a empresa se encontre.

No caso de pacientes internados em outras cidades (A MEDERI interna pacientes em Riachão do Jacuípe, Alagoinhas, Simões Filho, Conceição do Jacuípe, São Gonçalo dos Campos, Amélia Rodrigues e outras cidades circunvizinhas de Feira de Santana) o atendimento deve ser feito por serviço de emergência
local como SAMU 192, ou prefeitura, ou mesmo empresas privadas locais.

RM – Por quanto tempo o paciente permanece com a internação em domicílio?

Direitos reservados ao Autor do texto. Não pode ser reproduzido sem o devido crédito, parcial ou integralmente.

O tempo de internação será determinado pelo quadro clínico. Existe a idéia de desmame de serviços de acordo com a evolução clínica. Alguns pacientes começam o serviço como de alta complexidade, totalmente dependentes e com o passar dos dias podem reduzir sua complexidade para média ou baixa.

Outros pacientes apresentam quadros progressivos (como as doenças neurológicas degenerativas) nos quais não é previsto redução de serviços. A condução da assistência será sempre discutida com a família.

RM – Quais as vantagens da internação em domicílio?

Podemos citar diversas:

1- Redução das taxas de infecção;
2- Menor exposição dos pacientes às infecções hospitalares que geralmente são mais graves;
3- Liberação de leitos hospitalares em um sistema de saúde sobrecarregado como o nosso;
4- Maior aderência do paciente aos tratamentos;
5- Melhora dos aspectos psicológicos do paciente e de sua família quando o tratamento é feito em seu ambiente doméstico. Esses fatores, comprovadamente, influenciam na recuperação clínica;
6- Menor custo para as operadoras de saúde quando comparados à internação hospitalar.

Compartilhar: